Ser avoh...

Ser avoh...
Minha irmã Melinha postou: "Esperando feliz o novo membro da familia que tá chegando daqui uns meses..." e me inspirou à criação desta página.

quinta-feira, 11 de junho de 2020

PANDEMIA CRIATIVA




Estamos no ano de 2020.

Logo no início fomos surpreendidos por uma epidemia global, o que poderíamos chamar de PANDEMIA.
A nova ordem geral diante disso é: FIQUE EM CASA.
Escolas foram fechadas, o pessoal começou a trabalhar em HOME OFFICE, nome bonito pra dizer que você trabalha em casa, as crianças estudando pela internet em HOMESCHOOLING (outro nome bonito).
Tudo parou.
Quando decidi escrever aqui já se passaram noventa dias em que estamos nessa situação. Com muitas dificuldades, muitas adequações a se fazer em casa e fora dela.
Cada um vai se adaptando como sabe e como pode. Além do medo de contrair o vírus ainda temos que lidar com algo que afeta profundamente o ser humano: o isolamento, a saudade, a necessidade do abraço.

Vó, mas esse lugar não deveria ser pra falar de algo mais leve?

Pois é. Exatamente por isso, deixei pra registrar aqui minhas impressões sobre este momento que a humanidade vive. Que eu vivo!
Preferi falar aqui (depois desse resumo meio sisudo) sobre algumas coisas boas que encontrei no meio disso tudo. E é lógico que elas se referem às cinco princesinhas da minha vida!

Logo no início percebi que elas começaram a usar mais a internet para se relacionarem. Interessante como rapidinho elas pegaram o jeito de usar o Messenger Kids (ai, ai, ai... lembrar da Lia pronunciando esse nome me fez dar boas risadas e aquecer meu coração...).

Fizeram grupos e me incluíram. Mas meio que nunca dava certo porque a Anna tinha que estudar (aulas online) pela manhã e a Júlia à tarde! E a Lia deixava claro que mensagens pra ela só em áudio ou vídeo porque ela AINDA não sabe ler muito bem.

E a coisa foi evoluindo, e eu me divertindo muito com elas. O tal do aplicativo, além das mensagens tem joguinhos e bugigangas e meu celular se encheu de fotos e vídeos delas fazendo caras e bocas e trazendo para essa avó um montão de recordações para as horas não tão boas desses dias de quarentena.

Você que me conhece por aqui sabe que elas me motivam sempre. Me ensinam muito. Me alegram quando parece que nada vai poder fazê-lo.

Júlia ama histórias, desde bebezinha. E é ela que, talvez por ser mais velha,  melhor sabe usar a internet a seu favor, inclusive me pedindo para contar histórias pra dormir. Assiste as transmissões da Igreja, acompanha com atenção. Mas também aproveita o tempo pra mexer aquele corpinho cheio de energia.

Anna ama ler. Está usando bem o seu tempo. E a mamãe, que já tem um blog sobre livros, serviu de inspiração para a pequena abrir, aos sete anos, o seu próprio espaço na blogosfera. Lá ela está colocando os livros que lê e o que ela achou deles. Sozinha. Vale a pena conferir!

Camila ama conversar, bater papo, e é a que mais usa o aplicativo pra me chamar e botar a conversa em dia! Outro dia expliquei a ela que quando fosse ligar pra alguém olhasse a bolinha que aparece ao lado da foto. Se estivesse verde é porque a pessoa estava na internet. Ela muito séria, mordendo um pedaço do biscoito de polvilho, me diz: “me explica melhor esse negócio da bolinha verde!”

Lia não nasceu. Estreou. É a campeã dos vídeos engraçados. Está sempre mostrando alguma novidade. Fotos, vídeos, e o que mais me diverte são seus áudios: “Geeente, manda sempre em áudio pra mim por que eu não sei ler, Aiiiiinda (frisando bem a palavra)!”

E a Talita? Ainda não sei bem o que ela ama. Mas sei que eu amo aquele papagaiozinho de pirata que aparece sempre (eu disse SEMPRE) em qualquer (eu disse QUALQUER) chamada que estejam fazendo. Ela aparece e, como já está falando bem mais desde a última vez que eu a abracei, não para de chamar minha atenção gritando: VÓ! VÓ! VÓ! VÓ! VÓÓÓÓÓÓÓ!!!!!

E é isso. Queria registrar aqui um pouco da criatividade delas durante essa pandemia e da alegria que elas me trazem.

Meu desejo? Que tudo isso passe e que em breve a gente se abrace muito forte e demorado.

Uma lição? Que a gente sempre pode transformar algo ruim em algo bom. Que a gente pode de alguma forma, com a simplicidade da criança, transformar esse momento numa PANDEMIA CRIATIVA!

Obrigada papais e mamães por incentivarem a criatividade das princesas!! Vocês são ótimos e muito criativos!! hehe

Deus abençoe a todos nós.

Com amor
Voh Nil <><<

quarta-feira, 22 de abril de 2020

UMA AVÓ CHAMADA RITA...


Esse post é uma homenagem. 
Uma singela homenagem a uma avó,  uma amiga, uma companheira de avosidade...

Eu a conheci quando nossos filhos resolveram que iriam se casar.
Mãe de meninas, ela era uma pessoa doce, suave... O oposto de mim! Mas de uma forma inesperada nos demos bem!
Já naquele primeiro encontro percebi que seria fácil gostar dela. Como eu, ela era mãe de noiva de primeira viagem, com muitas dúvidas e medos mas extremamente disposta a fazer o que fosse possível pra que a união de nossos filhos desse muito certo.

E deu. E tem dado.

E daí vieram nossos encontros pela vida. Dias das mães, aniversários...
Mas nossa ligação se estreitou mesmo quando compartilhamos os bens preciosos da nossa maturidade:  nossas netas.
Juntas passamos por gestações, partos, chás de bebes, nascimentos, batizados, aniversários, formaturas, festivais de natação, festas juninas, exposições... em dose dupla!
Compartilhávamos da bênção de sermos avós com alegria e  gratidão.

E a cada encontro (e com a ajuda do whatsapp) nossa ligação ia aumentando.
Quando tivemos que transferir meu pai para uma casa de repouso em Valinhos, eu ainda muito abalada, foi ela que me tranquilizou. Com sua serenidade me acalmou e com sua generosidade se colocou "ali pra qualquer coisa". E como isso fez a diferença! Pouco precisei mas, saber que ela estava ali por perto me deixava mais segura naquela nova fase da minha vida, tão difícil e tensa.

É estranho mas, parecia que ela sempre estivera em minha vida. Como uma irmã. Talvez por isso sua partida tenha sido tão dolorida pra mim.
Muito reservada e elegante, ela foi uma amiga presente sem ser intrusa. Curtia meus posts aqui neste blog com sincero orgulho de também "seravoh". Ela era uma da primeiras pessoas que eu marcava quando os publicava. Sabia que ela iria gostar de compartilhar comigo minhas emoções e sentimentos.

Tínhamos uma tradição. Uma foto juntas a cada encontro.
Por algum motivo, ou sem motivo, em nosso último encontro não tiramos nossa foto.
Tudo bem, amiga, a gente tira uma quando a gente se reencontrar. Combinado?

com amor,
Nil <><<

quarta-feira, 25 de março de 2020

UMA ODE A JANUS FRIIS E NIKLAS ZENNSTROM

substantivo feminino
  1. 1.
    entre os antigos gregos, poema lírico destinado ao canto.
  2. 2.
    poema lírico composto de estrofes de versos com medida igual, sempre de tom alegre e entusiástico.

Não. Não sou poeta mas bem que queria saber fazer um poema pra esses dois! 

Voh do céu!!! Você está ficando maluca? O tal isolamento social tá te afetando?!

Nada disso, queridos. 
Pra quem não sabe esses dois desenvolveram o Skype. Lembra dele? É aquele aplicativo que a gente usava pra falar com as pessoas à distancia!

Pois é, ele estava em modo soneca no meu celular. Quase ninguém que conheço  estava usando. Mais fácil a gente se falar pelo Whatsapp, não é mesmo?

Mas eis que, no meio dessa confusão toda que se formou por conta de um vírus chines que aprendeu falar português, os pais da minhas netinhas #2 e #4 colocaram o aplicativo no tablet delas  e....

...essa voh aqui ficou FELIZONA!

Hoje fiz uma primeira ligação pra elas! Não pretendo "amolá-las" muito com as chamadas mas é tão bom saber que elas estão ali! A um clique!! 

Você pode estar pensando: mas que post mais sem noção Nílcea Helena...

Mas em tempos de isolamento (por amor, mas não sem dor) NADA faz muito sentido...

Só mesmo o amor que tenho por elas e o grande AMOR que Deus tem por todos nós !

Anna e Lia, a voh Nil está sempre online!
Juju, Cacá e Tatá, com ou sem Skype... tamo junto!! 

Com muito amor e paciência, diretamente do palácio de verão das princesas.

voh Nil <><<


segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

TEMPO DE QUALIDADE...


Chega o final de mais um ano e invariavelmente a gente começa a pensar, refletir e avaliar a nossa vida, não é mesmo?
E essa voh aqui que já é uma pessoa pensativa e reflexiva naturalmente (sem forçar!!) não só o faz como vem aqui e registra! 😉

Outro dia, depois de um semestre bem agitado no novo trabalho, minha caçula Lalá pôde enfim almoçar comigo.
Não tínhamos grandes assuntos nem questões a serem resolvidas, mas essas poucas horas que passamos juntas reforçou um elo que temos e não queremos perder.
Não pensem em dependência porque tanto ela como eu somos pessoas, graças ao bom Pai, muito amadas e resolvidas. É uma questão de decisão, de propósito mesmo!
Quero ter sempre um canal aberto com ela pra que quando, e se ela precisar possa usá-lo sem dificuldades. Tempo de qualidade...

E isso me remete a decisões que tomei depois do falecimento da minha mãe quando, sempre que visitava meu pai fazia questão de pernoitar em sua casa. Mesmo que o bate e volta fosse totalmente possível e às vezes até necessário!
Como essas noites que passei com ele, enquanto lúcido, foram preciosas! Noites de muitas histórias, de sopinha com linguiça, café com leite e pão. Às vezes um filme na Netflix... Noites de muitas lembranças e confidências. Tempo de qualidade...

Hoje começam as férias do papai na casa do primogênito. A Anna e a Lia passam alguns dias com o papai que já está de férias. (a mamãe ainda trabalha mais uns dias) e segundo fontes fidedignas a semana já está totalmente planejada e pronta pra ser curtida pelos três! Tempo de qualidade...

No interior, o filho #2 também tem muitos momentos a sós com as princesas Júlia, Camila e Talita. Ensinando a cozinhar, a plantar, na volta da escola, na história antes de dormir...Tempo de qualidade...

Hoje o biso já não conversa mais. Sei que fica feliz por eu estar ali, mas já não se expressa mais como antigamente. Tenho que olhar com os olhos do coração e sentir o seu amor por pequenas expressões. Mas sei que tudo o que vivemos está ali. Em seu coração e no meu. Porque tivemos...Tempo de qualidade.

Hoje, nesse post, minha mensagem final é para os filhos e filhas: Dani, Taci, Marcos Paulo, Bia, Lalá e André: aproveitem o tempo de qualidade que a vida oferece a vocês com aqueles a quem vocês amam.
Que Deus os abençoe da cabeça aos pés!!!

Ps.: Juju, Anna, Cacá, Lia e Tatá: a voh Nil pede ao Papai do céu que no próximo ano a gente tenha muito...tempo de qualidade! 
Amo vcs!!!

PS.: Ah, André, Bia e Taci, obrigada por permitirem que eu tenha tempo de qualidade com a Lalá, o MP e o Dani!! 😉 Bjs

Com amor

Voh nil <><<

terça-feira, 19 de novembro de 2019

TAREFINHAS DA ESCOLA...

As netinhas mais velhas já estão, respectivamente, no 2o e no 1o ano na escola (se não estou errada...) e portanto, já têm suas responsabilidades acadêmicas e tarefas escolares!

Nesses últimos dias fui convocada para ajudá-las em dois trabalhos diferentes.
Como seria feriado e as duas famílias estariam por aqui  aproveitamos para colocar mãos à obra. Principalmente porque a gente poderia contar com a tia Lalá, expert na coisa de educar crianças de hoje.
Falando assim parece que foi fácil, não é querido leitor?
Ledo engano....
Concatenar a necessária (e politicamente correta) participação das meninas no trabalho, o perfeccionismo desta voh que vos fala (escreve) e a vontade de brincar da criançada foi praticamente uma tarefa de Hercules!!!

Tarefa 1: 
Fazer uma caixa decorada como cenário/suporte para a contação de uma história para a neta #1, a Juju. Isso é chamado de DIADORAMA e eu não sabia! Vivendo e aprendendo...
A história? MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA de Ana Maria Machado.
Uma historinha simpática de um coelhinho branquinho que se apaixona pela cor negra da menininha e por conta disso acaba casando com uma coelhinha da mesma cor e tendo filhinhos de vááárias cores.
Um jeito leve de tratar a diversidade.  A tia Lalá já tinha lido esse livro quando pequena mas naquela época a questão da diversidade não era abordada como é hoje. Interessante...
Depois de várias confabulações com a Juju e alguma ajuda da menina libero a netinha pra que ela possa aproveitar a presença das primas e... brincar!
Como esse trabalho só vai ser entregue na semana que vem passamos prontamente para a tarefa da neta #2, a Anna
Capacete, escudo e lança da Palas Athena. 
A ideia é que com esses adereços ela possa brincar aprendendo sobre Mitologia Grega com seus coleguinhas na escola.
Pra quem, como eu, não sabe de quem se trata, aí vai a definição
"Conhecida como a deusa da sabedoria, da guerra e da justiça, Palas Atena era a protetora da cidade grega de Atenas".

Cá entre nós, também dessa vez, luto com a minha vontade de fazer tudo sozinha! 
Mas, graças ao bom senso da nora #1, consigo dar alguma chance da pequena ajudar e no final, o resultado agradou a todos e principalmente à netinha heroína. 
Tia Lalá assume parte da caixa economizando um bom tempo de trabalho pra vovó.
A nora #1 aproveita pra recortar escudos e lanças para as outras duas pequenas brincarem também.

De repente, vejo o caos organizado que se formou:
5 crianças com idade entre 7 e 2 anos de idade + 4 mulheres adultas + 4 círculos de papelão + 1 caixa de papelão + 4 vassourinhas a serem transformadas em lanças e cabelo do capacete + cola, muita cola + glitter, muuito glitter + tiras de papel crepom, muitas + papel dourado + lã + feltro + EVA de vááárias cores, etc, etc e etc...
E em meio a essa bagunça toda eu senti lá dentro, no fundinho  do meu coração, uma alegria tão grande e intensa que  por um momento tive vontade que aquela união e confusão nunca acabasse. Surreal, não é?

Meninas, a voh Nil não sabe tudo!
Não consegue muitas vezes fazer o que seria o mais correto nas várias situações com vocês.
Mas uma certeza muito grande na vida ela tem:
Ela ama vocês. E tem certeza de que nada que aconteça vai poder diminuir esse amor.

Dito isso, Juju, Anna, Lia, Camila, Talita e quem mais vier: contem sempre comigo para sua tarefas escolares!!

com amor

voh Nil <><<







sábado, 24 de agosto de 2019

DEUS GOSTA MUITO DE MIM...

Olá, pessoas!

Estou muito feliz!





Não. Não ganhei na LOTO. Aliás, nem jogo. Por que (ou como) eu iria ganhar?...



É que nessa semana eu pensei em pedir aos pais das netinhas #2 e #4, Anna e Lia, para poder ficar com elas. Mas o tempo passou meio corrido, muito trabalho e pouco tempo me fizeram esquecer de contatá-los pra combinarmos.



Então, na sexta feira, estava eu no meu trabalho e já era quase a hora do almoço quando me lembrei e fiquei triste. Não dava mais tempo pra combinarmos já que sempre que vou buscá-las minha nora e meu filho preparam a mochilinha delas com roupas, pijamas, remedinhos, e muitos outros etceteras.


Como eu disse, fiquei triste. E um pouco brava comigo também, devo confessar.


Procrastinar (agora lembrei da minha amiga Adriana. Depois eu conto.) é uma coisa muito feia mas de vez em quando se eu não vigio.... acabo caindo nessa e perdendo muitas oportunidades legais.



Pois é, de tanto procrastinar acabei ficando sem minhas netinhas...


Bom, isso pensava eu!

Marido me chama pra ir ao cinema assistir filme do  Tarantino. Aceito, apesar de ser num shopping que eu definitivamente não gosto de ir. Mas como não tinha outro, lá fui eu!.


Filme assistido (muito bom por sinal), vamos pegar o elevador para o estacionamento e o bendito demora mais que o tolerável para uma pessoa que como eu não queria estar ali naquele palácio de consumo e ostentação ( cricri eu, né?). 

Convenço meu marido que podemos pegar a rampa ali ao lado. Mas, pra minha tristeza e semi-irritação (semi porque não é qualquer coisa que me tira do sério, não!) a dita cuja não levava ao andar que a gente precisava!

Afe! 

Voltamos ao primeiro elevador e antes que eu pudesse pronunciar "furibunda e encolerizada" quem é que sai no meio da multidão? Meio perdidinhas, atrás da mamãe e um monte de adultos grandes, imensos!? Quem?!


As duas menininhas mais lindas do mundo!!!

Elas olham pra mim e exclamam: "Vovóóóó!!!" 

Abraços, beijos, mais abraços e.... "Mamãe, a gente pode ir pra casa da vovó?"


Ah, não tem como explicar minha alegria, meus queridos. 

Diante da afirmativa da mamãe, a Anna ( o cérebro dessa turma) pergunta: " mas a gente não tem pijama..." e ela mesma responde " mas não faz mal, né vó?".

E assim, qualquer empecilho nessa hora seria automaticamente descartado como insignificante, irrelevante, desimportante e desprezível.  Documentos? Não, pra quê? Calcinhas? Não, pra quê?! Pijamas? Não, pra quê?...


E assim, as netinhas passaram a noite com a voh Nil e o vovô. 



E assim, eu tive a certeza absoluta que.... 

Deus é bom. Deus é muito bom! Deus é bom o tempo todo!!!

Anna e Lia, a voh Nil ama vocês e quer que vocês saibam que sempre serão muito bem vindas aqui na casa da vovó, viu? Fiquem à vontade!


com amor

Voh Nil <><<










quarta-feira, 14 de agosto de 2019

PIPOCA... NENÉM...

Crianças não deveriam ficar doentes. 
Principalmente netinhas.

Tô aqui com o coração apertado porque a netinha #5, a esperta e sapeca Tatá tá dodói.

As netinhas estiveram por aqui esses dias atrás. E me lembro que pensei que assim que elas fossem embora eu iria fazer um post aqui sobre EMPATIA.



A história começa assim:

Há 7 anos, um palhacinho lindo, todo colorido, com cabelos fartos cor de cenoura debaixo de um lindo chapeuzinho vermelho, foi dado à netinha #1, a Julia, numa festinha de fim de ano do trabalho do papai.

Eu me apaixonei pelo tal palhacinho. Até o batizei de PIPOCA. Mas a Júlia.... hummmm... não! Ela preferia muito mais histórias e conversas sem fim.

Foi quando o papai dela me disse: "Então fica com ele na sua casa, mãe." 

E eu o adotei. 

Guardei bem guardadinho porque já estava a caminho a netinha #2 e quem sabe? Talvez ela se encantasse com ele... Nunca se sabe...

Veio a Anna e... mais uma vez não aconteceu aquela química que tem que acontecer quando uma criança vê um brinquedo. Mesmo porque ela era mesmo apaixonada pelos livros e imagens. 

A essa altura eu já estava francamente preocupada com o destino do PIPOCA. Poxa, mas será que só eu via o quanto ele era lindo e alegre?

O tempo passou e  vieram a Camila e a Lia. Eu, sempre na esperança que o clique acontecesse, apresentei o palhacinho a elas e....nada! Ainda não foi dessa vez! As segundinhas, como eu gosto de chamá-las, preferiam estar com as irmãs mais velhas e suas brincadeiras.

Então, voltei o PIPOCA pro seu lugarzinho onde, longe do pó e de mãozinhas nada interessadas, podia se manter bonitinho pra outro netinho.... quem sabe ?

E aí veio a Talita, a netinha #5. 
Eu havia esquecido completamente do palhacinho. 
Até que nestas férias do papai ela veio passar uns dias comigo e eu me lembrei de mostrar o brinquedo pra ela.

Qual não foi minha surpresa quando o rosto da Tatá se iluminou num largo sorriso e ela , que ainda não gosta muito de falar, exclamou: "NENÉMMMMMMM!!!!!!"

E desse dia em diante, em todos os lugares da casa, quando dormia, quando acordava, na hora da comida o PIPOCA estava lá. Juntinho. Fazendo a alegria da nossa neném.

Tá  certo que ele perdeu alguns fios de cabelo nessa história, mas ele me confidenciou que foram por uma boa causa. Afinal, ele havia sido aceito. A EMPATIA tinha acontecido! 

Talita, o seu NENÉM (PIPOCA) manda beijinhos de pano e coloridos pra que você fique boa logo, tá?

E a voh Nil pede pro Papai do Céu, o Criador de todas as coisas bonitas e coloridas deste mundo, que cuide de você, da Juju, da Cacá, da mamãe e do papai pra que loguinho esteja tudo bem!

Deus é bom. Deus é muito bom! Deus é bom demais!!!


com amor ( e o coração apertadinho)

voh Nil <><<